Empresas poderão administrar 32 terminais de ônibus

28 01 2013
Projeto deve ser a 1ª PPP da gestão Fernando Haddad; plano é começar por Parque D. Pedro, Bandeiras, Grajaú e Campo Limpo
Diego Zanchetta, Bruno Ribeiro e Caio do Valle
SÃO PAULO – A Secretaria Municipal dos Transportes finaliza um projeto de lei que autoriza a concessão dos 32 terminais de ônibus da Prefeitura à iniciativa privada. Os primeiros que devem ser licitados são os do Parque D. Pedro e das Bandeiras, no centro, e do Grajaú e do Campo Limpo, na zona sul. Em contrapartida, os futuros concessionários vão ter de reformar e ampliar a infraestrutura e a segurança desses pontos.
A legislação para tentar remodelar os terminais paulistanos deve ser a Primeira Parceria Público-Privada (PPP) da gestão do Fernando Haddad (PT). A ideia trabalhada pelo secretário de Transportes, Jilmar Tatto, em conjunto com técnicos da Secretaria Municipal de Governo, é que os primeiros quatro terminais tenham características semelhantes às das Estações Tatuapé e Itaquera do Metrô, na zona leste, e Santa Cruz, na zona sul.
Anexos às paradas metroviárias, foram erguidos shoppings centers nas últimas décadas. Na Estação Tucuruvi, na zona norte, outro centro comercial também já está em fase de obras.
A São Paulo Transporte (SPTrans) diz deter 28 terminais atualmente – outra estrutura, a de São Mateus, na zona leste, é gerenciada em parceria com a Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU), do governo do Estado.
Novos terminais também devem ser beneficiados. Um deles poderá ser o de Pinheiros, na zona oeste, inaugurado em dezembro, mas que segue fechado para operações. Existem outros cujas obras nem sequer começaram, como o de Vila Sônia, na zona oeste, que está atrasado segundo o cronograma oficial.
Hoje, a maioria dos terminais da SPTrans é administrada pela Socicam, por meio de contrato. A empresa também gerencia terminais rodoviários, como o Tietê, de propriedade do Metrô.
O projeto de lei com a concessão dos terminais deve chegar à Câmara Municipal até o fim de fevereiro, logo após a apresentação da proposta que acaba com a taxa da inspeção veicular. A equipe das pastas de Transportes e de Governo estudam uma maneira de tornar a PPP aplicável também para a construção de outros terminais previstos pelo governo e que estão atrasados. Nesse caso, o concessionário seria responsável pela execução da obra.
Câmara. 
Haddad deu sinal verde para o projeto, que precisa ser aprovado por uma maioria dupla na Câmara, ou 37 votos dos 55 vereadores, por se tratar de concessão pública. Hoje, porém, o prefeito já tem uma base governista formada por 42 parlamentares, o que deve facilitar a aprovação do texto. O governo acredita que o potencial econômico desses terminais ainda é pouco explorado e deve atrair investidores de todo o Brasil.
O arquiteto e consultor de trânsito e transportes Flamínio Fichmann ressalta, porém, que no País ainda não há exemplos de sucesso na exploração da chamada “receita não operacional” – recursos que as operadoras de transporte obtêm com a exploração de publicidade e comércio.
Outro ponto destacado pelo especialista é que os terminais de ônibus têm um enorme potencial de inserção social, principalmente nos bairros mais afastados. “Os terminais poderiam não ter apenas comércio. Poderiam ter creches, postos de saúde, bibliotecas”, afirma Fichmann, destacando que, alguns anos atrás, chegou-se até a fazer um estudo para a criação de um cinema para deficientes auditivos no Terminal Santo Amaro, na zona sul.
Calçadas. 
Outra proposta que precisa ser finalizada em 15 dias, segundo determinação do prefeito feita à pasta de Coordenação das Subprefeituras, é a que muda a forma de multa aos proprietários de calçadas. Hoje, o dono de um imóvel pode ser multado sem notificação se sua calçada não estiver bem conservada, conforme regra implementada há um ano. O novo projeto criará uma notificação para o dono arrumar a calçada em até 30 dias – se ele não cumprir o prazo, a infração será aplicada.
Imagem




Viação Cometa compra 170 novos ônibus por R$ 78 mi

30 12 2012
A Viação Cometa investiu R$ 78 milhões na renovação da frota com a compra de 170 ônibus zero quilômetro. Os veículos, todos Mercedes-Benz com carroceria Marcopolo (foto acima, divulgação), já foram comprados e chegarão à empresa ao longo do próximo ano.
A Viação Cometa renova todos os anos até 20% da frota. Em média, a Cometa transporta atualmente 1,2 milhão de passageiros por mês.
 
Imagem




Veolia adquire novos veículos para Bilbao

30 12 2012
A empresa concessionária do transporte público de Bilbao, Veolia Transporte, reforçou a sua frota com dois novos autocarros urbanos de dois pisos, modelo “Bravo I R da Ayats”, que começará a circular dentro de poucos dias nas ruas da cidade. Com esta aquisição, que se traduziu num investimento de aproximadamente 700.000 euros, Bilbao torna-se na primeira cidade espanhola com veículos de dois pisos integrados na sua frota de autocarros urbanos de linha regular. A Veolia Transporte gere em Bilbao uma frota de 153 autocarros. Para além destes dois veículos de dois pisos, está prevista a entrada em serviço de 8 novos autocarros durante o ano de 2011 no serviço de transporte urbano da cidade. A Veolia Transporte Espanha é a filial espanhola da Veolia Transport, a divisão do grupo francês Veolia Environnement dedicada à operação de serviços de transporte público rodoviário e ferroviário de passageiros. Actualmente, a Veolia Transporte Espanha tem a seu cargo a operação e gestão do Transporte Urbano de Bilbao (Bilbobus) e do Metro Ligeiro de Barcelona (Trambaix e Trambesòs).
 
Recorde-se que em Dezembro último, a autoridade francesa da concorrência aprovou a fusão entre a Veolia e a Transdev, que dará origem a um dos maiores grupos de transportes do Mundo, passando a designar-se por Veolia-Transdev. Com esta joint-venture, a Veolia passará igualmente a estar presente em Portugal, através da Transdev, que após a aquisição da Joalto é, actualmente, o segundo maior grupo nacional de transportes.
por: Pedro Pereira
Imagem




Empresa russa de ônibus começa a produzir linha com parceira brasileira

30 12 2012
O ônibus Bravis é um projeto conjunto da Kamaz e da empresa brasileira Marcopolo, uma das maiores fabricantes mundiais de carrocerias de ônibus.
A corporação autotomotiva Kamaz, de Neftekamsk, iniciou a produção em série do ônibus de pequeno porte Bravis, segundo informou a assessoria de imprensa da empresa russa.
O Bravis é um projeto conjunto da Kamaz e da empresa brasileira Marcopolo, uma das maiores fabricantes mundiais de carrocerias de ônibus.
O protótipo de ônibus Bravis foi apresentado pela primeira vez na mostra Comtrans-2011, em Moscou, e despertou grande interesse de muitas empresas de transporte.
Sua estreia internacional ocorreu no último dia 14 de dezembro, durante a 2ª edição do “Fórum Empresarial Brasil-Rússia: fortalecendo parceria estratégica”, em Moscou, presenciado pela presidente do Brasil, Dilma Rousseff.
A carroceria de ônibus Bravis desenvolvida pela Marcopolo foi montada sobre o chassi construído pela Kamaz. O veículo atende os requisitos tecnológicos do Euro-4 e leva motor da Cummins, caixa de câmbio da ZF, eixo da Daimler e freios da Knorr-Bremse.
Em 2016, a joint-venture russo-brasileira Kamaz-Marco planeja atingir a capacidade projetada de cerca de 3.000 veículos por ano. Os ônibus serão vendidos em regiões da Rússia e em países da CEI (Comunidade de Estados Independentes, composta por ex-repúblicas soviéticas).
A linha de produção do Bravis foi inaugurada solenemente com a presença do diretor-geral da Marcopolo na Rússia, Iúri Caio, do diretor-geral-adjunto da Kamaz para equipamentos especiais, Nikolai Pronin, do diretor-geral da joint-venture russo-brasileira Kamaz-Marco, Ilchat Singatullin, assim como de executivos da Nefaz e representantes das empresas distribuidoras.
Publicado originalmente em: http://www.metalinfo.ru/ru/news/60872
Imagem




Rio de Janeiro terá esquema especial para Réveillon

30 12 2012

Serão criados pontos de embarque nos ônibus perto da tradicional queima de fogos. Tanto ônibus como metrô vão funcionar durante toda a madrugada.

 

A queima de fogos em Copacabana, no Réveillon do Rio de Janeiro, uma das maiores do mundo e que atrai turistas de diversos países, vai ter um esquema especial de ônibus e metrô, que deverão funcionar durante toda a madrugada.

Por conta do alto número de pessoas esperadas, para evitar tumulto no trânsito e até acidentes, várias vias vão ser interditadas. Algumas serão liberadas apenas para ônibus urbanos e táxis com passageiros. Por isso, a orientação é usar o transporte coletivo.

A Avenida Atlântica, a via mais perto da orla, será interditada às 7 h do dia 31 e a pista dos hotéis terá inversão de tráfego.

A partir das 15 horas, as duas pistas da Avenida Atlântica serão bloqueadas.

As ruas locais do bairro de Copacabana serão fechadas ao tráfego às 18 horas, sendo permitidos apenas táxis com passageiros e ônibus de linhas regulares. Às 22 horas o bloqueio será total, só havendo permissão para os pedestres.

A partir das 22 horas do dia 31 até às 04 horas de 1º de janeiro funcionarão quatro pontos de embarque especiais para passageiros de ônibus: Enseada de Botafogo (Avenida das Nações Unidas), Lagoa Rodrigo de Freitas (Corte do Cantagalo), Ipanema (Rua Prudente de Moraes) e Rua Real Grandeza (nas proximidades do Cemitério São João Batista).

O metrô vai funcionar em esquema especial da 00h00 às 05h00, mas atenção: Só serão aceitos os cartões comprados antecipadamente nas estações do sistema.

A Secretaria de Transportes orienta que, para a volta para a casa, o passageiro prefira a estação Siqueira Campos, já que a Estação Cardeal Arco Verde costuma ser muito lotada nestes eventos.

As bilheterias do metrô vão fechar às 19 horas de segunda-feira, dia 31, e só vão reabrir às 07 da manhã de terça-feira, dia 1º. Apenas as estações Ipanema/General Osório, Cantagalo e Cardeal Arco Verde terão bilheterias funcionando até meia noite.

A Estação Cardeal Arco Verde vai fechar para embarque às 19 horas e reabrir por volta da meia noite.

O evento deve reunir 2 milhões de pessoas e terá quatro palcos montados com diversas atrações. Um palco especial será montado em frente ao Hotel Copacabana Palace, que terá iluminação de Led.

Fonte: Adamo Bazani

Foto: divulgação

Imagem





Um dos fundadores da Marcopolo, Paulo Bellini lança livro contando a história da empresa caxiense

22 12 2012

Um dos fundadores da Marcopolo, Paulo Bellini, 85 anos, faz o pré-lançamento do livro que conta a história da empresa nesta quarta-feira em Caxias do Sul. A obra Marcopolo – Sua Viagem Começa Aqui é fruto de um trabalho de dois anos e tem 255 páginas. Além do depoimento do fundador, o livro conta com 93 entrevistas de ex-funcionários, clientes e outras pessoas ligadas aos 63 anos de história da empresa. A responsável por ouvir e transcrever os diálogos foi a jornalista Suzana Naiditch. A coordenação do trabalho foi da psicóloga e consultora Marilda Vendrame.
Bellini, hoje presidente emérito da empresa, conta que, desde o começo, não quis que o livro fosse uma biografia.
_ A ideia era homenagear todos os colaboradores da empresa. Se todas essas pessoas ajudaram a fazer a expansão da empresa, elas também podem ajudar a fazer o livro _ revela o autor.
Bellini lembra histórias da fundação da Marcopolo no livro.
_ Quando nós começamos, não tinha dinheiro, não tinha crédito. Já começamos em crise. E os eixos eram emendados, o que era uma irresponsabilidade total. Mas na época era assim. Os ônibus tinham a estrutura de madeira _ conta.
Entre as passagens marcantes, está a implantação do modelo de gestão da Marcopolo, estruturado a partir dos anos 1980, com uma viagem dos executivos ao Japão. A empresa, que começou com 17 funcionários, hoje tem mais de 20 mil trabalhadores no Brasil e em outros nove países.
O prefácio do livro é escrito por Marcus Vinícius Pratini de Moraes, economista e ex-ministro. O antropólogo Roberto DaMatta fez um ensaio para a obra chamado Um passeio de ônibus, onde aponta a presença do transporte coletivo na sociedade.
O lançamento oficial do livro será no dia 12 de dezembro, na Livraria Cultura, no Conjunto Nacional, em São Paulo. Depois dessa data, a obra será distribuída em livrarias de todo o país. A renda obtida na venda será repassada a projetos sociais da Fundação Marcopolo.

Imagem

Capa do livro. Reprodução, divulgação/Marcopolo





Aumento da tarifa de ônibus em Osasco gera protestos

17 12 2012

Diversos grupos de estudantes e de diferentes categorias de trabalhadores organizam, usando a internet, protestos contra o aumento da passagem de ônibus em Osasco, na Grande São Paulo.

Um grupo planeja se concentrar na estação da cidade e seguir em passeata até a sede da Prefeitura.

A tarifa foi reajustada em 10%, subindo de R$ 3,00 para R$ 3,30. Com isso, ao lado de Campinas, no Interior Paulista, Osasco tem a tarifa de ônibus municipal mais cara do País.

O aumento foi aplicado nesta última segunda-feira, 03 de dezembro.

Segundo a Prefeitura de Osasco, o índice obedece às variações de custos de operação do sistema. Entre os itens que mais pesaram na composição tarifária foram os salários, pneus e aquisição de novos veículos.
A cidade não oferece integração entre os ônibus municipais.

Aumentos em outras cidades também estão previstos para o fim deste mês ou entre janeiro e fevereiro. Na Capital Paulista, com tarifa congelada desde o ano passado, e na Região do ABC, as estimativas são de que as passagens de ônibus custem entre R$ 3,25 e R$ 3,50.

Fonte: Adamo Bazani

Foto: Autor desconhecido

onibus-osasco